Born in Japan, Uno is a philosopher and translator to Japanese of the works by Antonin Artaud and Guilles Deleuze and Félix Guattari. Despite, or even because of this, the texts in this collection were written originally in French. This choice derived from the linguistic overture necessary to Uno’s thought and which he encountered in this idiom. 

As Greiner explains, in “Uno Kuniichiand his untimely philosophy”: “(…) choosing the French language was not just a contingency of his history, it also represents the quest for freedom to escape the oppression of his native language, Japanese – although this is a language with which he can reveal himself more intimately. In French, somewords (like adverbs), certain verb tenses (which express a continuous present) and punctuation (commas and ellipses), reinforce his perpetually unfinished poetic narrative. They are perceptions that articulate each other in a continuous flux, far from deterministic.” 

According to the author, the line that weaves the different parts of this book, produced in different periods and cities, was found in the following passage by Gilles Deleuze in “The Time-Image”: “If cinema does not giveus the presence of the body and cannot give us it, this is perhaps also because itsets itself a different objective; it spreads an ‘experimental night’ or awhite space over us; it works with ‘dancing seeds’ and a ‘luminous dust’; it affects the visible with a fundamental disturbance, and the world with a suspension that contradicts all natural perception. What it produces in this way is the genesis of an ‘unknown body’ which we have in the back of our heads, like the unthought in thought, the birth of the visible which is still hidden from view.”

 

 

 

 

 

WEAVING FURTER

Inline with the biopolitical discussions raised by Kuniichi Uno, n-1 publications proposed the Seminar Critique of Biopolitical Economy, ministered by Finish bioeconomist and theoretician Akseli Virtanen.The event happened in April 2012 at PUC –SP (Pontifícia Universidade Católica – São Paulo/ Brasil) and at Centro Cultural B_arco, with activities organized in three modules: 1) Genealogy of the organizational problematic n-1; 2) The relation between biopolitical economy and precarious states of mind; 3) Arbitrary power and the impossibility-of-not-loving.

  • The seminar established a direct dialogue between the previous and programmed productionof n-1 publications, initiating with the topic “The discreet charm of the precariat”, title of the afterword signed by Virtanen in “Kafkamachine”. Furthermore, his book Critique of Biopolitical Economy will be published in Portuguese by this publisher in December 2012. In September of the same year, Kuniichi Uno will come to Brazil, as part of the series of seminars programmed jointly by n-1 publications and the Núcleo de Estudos da Subjetividade do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica da PUC-SP (Nucleus of Studies on Subjectivity from the Postgraduate Programme in Clinical Psychology at PUC – SP), possibly with the presence of David Lapoujade.
    Coeditor of n-1 publications, Akseli Virtanen is a member of the Mollecular organization and coordinator of Future Art Base in Helsinki, Finland (Aalto University School of Art). At present he is working on “Parasite– Investment Fund of the Precariat” and on the project “Kafkamachine”, inspiredon Félix Guattari. He teaches new political economy and philosophy of cooperation at Aalto University School of Economics. His recent books are: Mollecular Organization of Félix Guattari (2011); Economy and Social Theory Vol1-3 (2011-2012); Introduction to Bracha Ettinger’s Copoiesis (2009); The Place of Mutation: Vagus, Nomos, Multitudo (2007); A Critique of Biopolitical Economy: The End of Modern Economy and Birth of Arbitrary Power(2006); Dictionary of New Work: A Map to Precarious Life (2006). He edits the series “Polemos” and “Memory books of cooperation”.

 

 

 

 

A próxima publicação da n-1 edições é a coletânea de Kuniichi Uno intitulada “A gênese de um corpo desconhecido”, com tradução e prefácio de Christine Greiner. O livro reúne 11 ensaios que orbitam e adentram questões do corpo, da dança, do teatro e da biopolítica, reverberando a influência que o autor teve dos dançarinos: “(…) me inspiraram muito, sobretudo para pensar e repensar o que é o corpo − a vida vivida pelo corpo.”

Nascido no Japão, Uno é filósofo e tradutor para o japonês de obras de Antonin Artaud e de Guilles Deleuze e Félix Guattari. Apesar disso, ou mesmo por isso, os textos desta coletânea foram escritos originalmente em francês. A escolha decorreu da abertura linguística necessária ao pensamento de Uno, encontrada por ele nesse idioma.

Como explica Greiner, em “Uma filosofia intempestiva”: “(…) a opção pela língua francesa não foi apenas uma contingência da sua história, mas também representa a busca da liberdade para escapar à opressão de sua língua materna, o japonês – embora este seja o idioma com o qual consegue se revelar mais intimamente. Em francês, algumas palavras (como os advérbios), certos tempos verbais (que expressam um presente contínuo) e pontuações (vírgulas e reticências), reforçam a sua narrativa poética sempre inacabada. São percepções que se articulam umas às outras num fluxo contínuo, nada determinista.”

Segundo o autor, a linha que costura as partes deste livro, produzidas em diferentes períodos e cidades, foi encontrada no seguinte trecho de Gilles Deleuze, em “A imagem-tempo”: “(…) se o cinema não nos dá a presença do corpo, e não pode nos dar, é também porque propõe um outro objetivo: ele estende sobre nós uma ‘noite experimental’ ou um espaço branco, ele funciona com ‘sementes dançantes’ e uma ‘poeira luminosa’, ele afeta o visível de uma obscuridade fundamental, e o mundo de uma suspensão que contradiz toda percepção natural. Assim, o que ele produz é a gênese de um ‘corpo desconhecido’ que temos atrás da cabeça, como o impensado no pensamento, nascimento do visível que ainda se esconde à visão.”

 

OUTRAS TESSITURAS 

No ensejo das discussões biopolíticas suscitadas por Kuniichi Uno, a n-1 edições realizou o Seminário “Crítica da Economia Biopolítica”, ministrado pelo bioeconomista e teórico finlandês Akseli Virtanen. O evento aconteceu em abril de 2012, na PUC-SP e no Centro Cultural B_arco, com atividades organizadas em três módulos: 1) Genealogiada problemática organizacional n-1; 2) A relação entre economia biopolítica e estados precários da mente; 3) Poder arbitrário e a impossibilidade-de-não-amar.

O seminário estabeleceu um diálogo direto entre a produção anterior da n-1 edições e aquelas que estão por vir, iniciando com o tópico “O Discreto charme do precariado”, título do posfácio assinado por Virtanen em Máquina Kafka. Além disso, seu livro “Crítica da Economia Biopolítica” será publicado em português, por esta editora, em dezembro de 2012. Em setembro deste mesmo ano, Kuniichi Uno virá ao Brasil, como parte da série de seminários programados conjuntamente pela n-1 edições e o Núcleo de Estudos da Subjetividade do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica da PUC-SP, com a presença provável de David Lapoujade.

Coeditor da n-1 edições, Akseli Virtanen é membro da Mollecular organization e coordenador da Future Art Base em Helsinki, na Finlândia (Aalto University School of Art). Atualmente trabalha em “Parasite – Investment Fund of the Precariat” e no projeto “Kafka machine”, inspirado em Félix Guattari. Leciona nova economia política e filosofia da cooperação na Aalto University School of Economics. Seus livros recentes são: Mollecular Organization of Félix Guattari (2011); Economy and Social Theory Vol 1-3 (2011-2012); Introduction to Bracha Ettinger’s Copoiesis (2009); The Place of Mutation: Vagus, Nomos, Multitudo (2007); A Critique of Biopolitical Economy: The End of Modern Economy and Birth of Arbitrary Power (2006); Dictionary of New Work: “A Map to Precarious Life” (2006). Edita as séries de livros “Polemos” e “Memory books of cooperation”.

 

 

Title / Título: The genesis of an unknown body / A gênese de um corpo desconhecido
Author / Autor: Kuniichi Uno
Preface / Prefácio: Christine Greiner
Translation/ Tradução (portuguese / português): Christine Greiner

withcollaboration from / com a colaboração de: Ernesto Filho and / e Fernanda Raquel
Translation / Tradução (english / inglês): Melissa McMahon
Year / Ano: 2012
Number of pages / Nº de páginas: 280
BilingualEdition: Portuguese – English / Edição bilíngue: Português – Inglês
ISBN: 978-952-6611-01-3
Preço de capa: 50,00
Back to top